29 de jul de 2010

Amor Com Paixão.


Num email um amigo me confidenciou que nunca sabe quando é amor ou paixão quando vive uma historia a dois, a menos quando chega o fim. Mas desconfia que o coração sempre sabe e que é difícil admitir quando é apenas paixão. Mas que cada um tem sua importância na nossa vida.



Fiquei matutando essas coisas que ele me disse. Fiz ate uma auto-análise, busquei experiências vivenciadas, ouvidas. E cheguei a conclusão de que não tem conclusão alguma.


Cada experiência é única. Cada pessoa que passa na nossa vida também, então não podemos usar o mesmo modelo de relação todas ás vezes. O que podemos é evoluir com a percepção, aprender muitas coisas com a história outrora vivenciada. Mas não temos como prever que não iremos “sofrer” novamente, não podemos evitar derrubar algumas lágrimas com uma nova relação simplesmente porque já a derrubamos na relação anterior, não.


O que podemos e devemos é viver da melhor forma possível, é se entregar ao amor, a paixão, deixando que o nosso coração transborde de êxtase e sintonia.


Tirar encucações e medos que não acrescentam nada de bom e muitas vezes nos faz perder momentos mágicos ao lado de alguém que chega sem muita expectativa e se torna o amor de nossas vidas. Ou aquela paixão arrebatadora que vira uma doce e gostosa lembrança. De qualquer forma vale a pena vivê-la, senti-la.


Paixão ou Amor. Não sei o nome que devemos dar ao que sentimos no momento. Não me atrevo entrar nesse mérito. Mas se é bom, se te faz bem, se perde a respiração quando se beijam, se a ausência é sentida e a presença é deliciosamente essencial VIVA. Mas viva na sua Plenitude, na sua Loucura.






Beijinhos Doces da Madame Infinity

27 de jul de 2010

Antes de Casar




Estava lendo num blog essa semana sobre um assunto interessantíssimo para quem pensa em se casar um dia.
Ninguém vive de amor por isso é melhor uma conversa bem aberta sobre como será algumas questões antes de se enfiar num casamento sem saber o que fazer em determinadas situações em que todos casais passam.


Eu por exemplo estou pensando em casar daqui a uns 2 anos (passa voando) e não pode só pensar na parte financeira.

Segue algumas perguntas a serem analisadas não só por nós mulheres, mas pelos homens também:

Sou segura o suficiente para me casar?

Se eu engravidar quem vai cuidar da criança?

A gente já impôs limites em relação à família se meter na nossa vida pessoal?

Gostamos dos amigos do outro ou pelo menos respeitamos as amizades?

Somos capazes de dormir na mesma cama todos os dias?

Se formos de religiões diferentes, nosso filho terá uma base religiosa?

Se eu ou você receber uma oportunidade de trabalhar em outra cidade ou estado, iremos nos mudar e aceitar a oportunidade do outro?

Nós dois iremos administrar as finanças da casa?

Nós dois iremos ajudar na limpeza e organização da casa ou teremos uma do lar?

Acho bacana pensar sobre essas perguntas e talvez muitas outras que podemos um dia questionar dentro do casamento.
Não custa nada e pode evitar muitos problemas quando estiverem casados.

Pra voce que me ama



Madame Muááá


26 de jul de 2010

De bem com você


Para estarmos de bem conosco devemos em primeiro lugar nos aceitar como somos, tanto por dentro como por fora. E acredito que tudo começa na nossa cabeça. Se acreditamos que somos capazes, felizes e bonitos, seremos capazes, felizes e bonitos. A mudança verdadeira deve sempre vir de dentro para fora.

Ao invés de reclamar do que não gostamos em nós, que tal começar a realçar nossas qualidades, nossos pontos fortes e disfarçar nossos defeitos, para mais tarde tomar uma atitude e mudar completamente as coisas que não gostamos em nós, seja fisicamente ou interiormente, nada vai mudar se você ficar só reclamando, faça alguma coisa, você é responsável por sua felicidade e mais ninguém. 


Dedique um tempo para você se cuidar, ir ao cabeleireiro, fazer as unhas, colocar uma roupa que te faça sentir bonita(o), fazer o que você gosta sempre que puder, encontre tempo para você. Talvez depois do banho observar seu corpo nú no espelho e aceitar-se como você é seja uma boa terapia para aprender a gostar mais de si e fazer as pazes com seu corpo, do jeitinho que ele é e se não gosta de algo, veja o que se pode fazer para mudar e estar de bem consigo mesma(o).

Faça algo por você, por sua auto estima e não mude para agradar terceiros ou espere arrumar alguém para começar a se alimentar melhor, a fazer exercícios ou gostar de você, mude por você! 


E quando você se aceitar, verá como tudo ao seu redor muda também e as pessoas te olharão de forma diferente, assim como você olha a si mesma(o). O que você pensa reflete nas pessoas, portanto pense positivo. Sei que não é nada fácil, eu que o diga, mas não é impossível, basta querermos. Eu estou fazendo as pazes comigo mesma e desejo que todos façam o mesmo, não por mim, mas por vocês! 


Beijos X

25 de jul de 2010

Se...

Nada mais triste do que a palavrinha "se"! Se isso, se aquilo, se aquilo outro... o se destrói a nossa vida. Mas é impossível não se render a ele. E, enquanto o tempo passa, na espera por aquilo que queremos e que pode ser que venha (ou que não venha), o se nos vai matando aos poucos. Acho que é esta palavra, sempre a rondar nosso pensamento, que sai para fora, pelos poros de nossa pele, e nos crava de rugas, embranquece os cabelos, desmancha os traços perfeitos de nossos lábios ao sorrirem.

Esperar. Estar na espera. A pessoa se desespera. O nada em toda parte, apenas o deserto do "se"....


23 de jul de 2010

Enquanto ele não vem....



Enquanto ele não vem...vou olhar para o horizonte,
Enquanto ele não vem...vou arrumar o cabelo,
Enquanto ele não vem vou vestir minha melhor roupa...
Vou andar descalço pela praia, pela rua, pela relva...
Vou viajar, saracutiar, simplesmente dançar...
Vou andar na chuva, pisar no barro, pegar meu carro...
Vou chorar de alegria, ir por aí numa trilha, ir até a vila...
Vou assistir TV, ouvir a minha música preferida, cantar, cantar e cantar...
Vou rever a família, fotografar, conversar...
Vou ao cinema, ao teatro, no meu quarto...
Vou olhar pra mim, sentir, talvez mentir...
Enquanto ele não vem...
Vou evoluir, crescer....vou VIVER!

Beijos enigmáticos,
Madame Cleópatra

22 de jul de 2010

Ame!


A mais pura verdade é que insistimos em machucar as pessoas que nos são mais próximas.



Sim, se analisarmos nossas atitudes veremos que isso é uma verdade. Não sei se absoluta. Mas é verdade.


Aquele que sempre está do nosso lado se torna nossa vítima perfeita, se torna “sempre” que “precisamos” nosso alvo preferido.


Mas inconscientemente preferimos as pessoas próximas, exatamente porque estão próximas mesmo.


Magoamos profundamente sem percebermos o quanto. Achamos que seremos entendidos e assim vamos fazendo até que por algum motivo sejamos acordados para essa realidade.


Pode ser que dê tempo de salvar relações machucadas, mas, talvez mudarmos nossa atitude antes de ferir demais o outro seja a mais sensata das opções.


Porque dá sim para sermos melhores e termos a percepção exata ou quase, do que causamos ao outro sim.


Sair do casulo que o comodismo nos coloca é muito saudável e bom para nossas relações.


Admirar as qualidades ao invés de apontar os defeitos, talvez seja o primeiro passo.


Focar em quanto a pessoa é boa em determinado assunto, o quanto ela nos faz bem em outro e não ficar colocando lente de aumento em pequenos defeitos que podem ser amenizados com uma conversinha descontraída e sem cobranças. Isso surte mais efeitos do que aquelas “Drs” chatas e desnecessárias que dependendo da forma que o assunto for colocado só servirá para afastar as pessoas.


"Me ame quando eu menos merecer, pois é quando eu mais preciso." (Provérbio Chinês)
 
Beijinhos Doces
                        Madame Infinity

19 de jul de 2010

Certas Horas



Há certas horas, que não precisamos de um Amor
Não precisamos da paixão desmedida 
Não queremos beijo na boca... 
E nem corpos a se encontrar na maciez de uma cama... 

Há certas horas, que só queremos a mão no ombro,
o abraço apertado ou mesmo o estar ali, quietinho, ao lado... 
Sem nada dizer... 

Há certas horas, quando sentimos que estamos pra chorar, 
que desejamos uma presença amiga, a nos ouvir 
paciente, a brincar com a gente, a nos fazer sorrir... 

Alguém que ria de nossas piadas sem graça 
Que ache nossas tristezas as maiores do mundo 
Que nos teça elogios sem fim... 
E que apesar de todas essas mentiras úteis, nos 
seja de uma sinceridade inquestionável... 

Que nos mande calar a boca ou nos evite um gesto impensado 
Alguém que nos possa dizer: Acho que você está errado, mas estou do seu lado... 
Ou alguém que apenas diga: Sou seu amigo !

Enquanto a vida vai e vem, você procura achar alguém que um dia possa lhe dizer: Quero ficar só com você... 

Pois é, eu já encontrei essa pessoa e você, já encontrou sua outra metade perdida?

Texto retirado daqui

Beijos X

18 de jul de 2010

Não é só "Aquilo"

Caros leitores e leitoras do nosso blogue, tinha prometido à Ivana, de Porto Velho, que este Domingo ia postar uma resposta ao seu e-mail do dia 12 de Julho, e só agora é que deu tempo.

Muito bem, resumindo o seu e-mail, o seu caso é este que está abaixo (nome e cidades foram trocados, em respeito à sua privacidade).


 Olá. Eu me chamo Ivana, tenho 20 anos, sou de Porto Velho - RO, e estou no penultimo ano para terminar minha faculdade de direito, mas não termino com meus dilemas...
 
Venho pedir um auxílio de vocês e dizer que há quase um mês que descobri a jóia rara do SAC do Amor e sou fã mesmo, todo dia entro e olho a mensagem que vocês tem pra passar...adoro todos os conselhos e todas as histórias, sempre muito parecidas com as minhas!
 
Enfim...estou aqui porque quero tentar remediar um defeito meu...sei lá se é defeito... tomem como base uma recente postagem no SAC... chamem o bombeiro para apagar o meu fogo!
 
Conheci um rapaz na faculdade, logo no início do curso. Ficamos juntos várias noites, foi um contato mais sexual, e eu acabei por me apaixonar. No início ele tinha namorada, porém terminou com ela faz alguns meses já e aproveitei a deixa para abrir meu coração. Ele porém disse que ainda gostava dela, e tive que compreender. Agora, conheci recentemente, nas idas e vindas da vida, um rapaz que é parente dele, fui dando corda e ele se aproximou.

Acontece que, como com o primeiro dessa história, eu não quero só a parte sexual da relação, que embora acabe predominando, não exclui meu desejo de uma relação séria, um compromisso. Quero dizer isso a ele, e na última vez recusei um convite seu para ir me encontrar em sua casa, porque senti que não seria legal. Também tenho um namorado que vejo só de vez em quando, quando volto para Recife, visitar minha família que mora lá. Raramente temos contato.

Gostaria de saber o que fazer para que este rapaz com o qual estou agora queira o mesmo que eu: algo sério, não somente sexo. Por favor, me dêem dicas. Obrigada, Ivana.

Ivana, que bom que tivestes coragem de compartilhar as tuas dúvidas conosco. Obrigado pela confiança. :)

Serei sucinto desta vez, porque tenho um certo receio de não ter entendido bem o teu relato, e peço desde já desculpas por quaisquer erros no resumo, ok?

Se o que tu desejas com ele é algo sério, isso demonstra que estás amadurecendo, aos poucos. Tens que saber se é mesmo isso que ele quer, assim como tu.

O primeiro passo tu já destes, que foi ter dito a tua vontade. E, se não queres passar a impressão de quereres só sexo, seria bom que vocês tivessem programas fora da casa dele ou da tua, num ambiente mais público, até por uma questão de ele se acostumar a te encontrar na presença de outras pessoas. Caso nem sempre isso seja possível, tenta conversar com ele pelo telefone, aceitando sim seus convites para ir à sua casa, mas já deixando claro que o teu objetivo é conversar, ficar com ele, conhecê-lo. Tenho certeza que ele aceitará se gostar de ti! ;)

Sobre o teu caso com o rapaz de Recife, aconselho a largar. Não senti firmeza. Acho que no fundo estás com ele por comodismo. Se já sabes de quem tu gostas, fica com o outro, este aí mesmo da tua cidade.

Abraços e qualquer dúvida extra é só nos mandar por e-mail! Au revoir! 



16 de jul de 2010

Dicas da sexta quente...





Pensando no que postar nessa sexta, uma idéia maravilhosa surgiu: falar sobre criatividade no sexo.



Para executar essa idéia contarei com a ajuda de todos. Quinzenalmente quero postar idéias sobre maneiras diferentes de fazermos sexo. Que tal?



Pra participar envie um e-mail pra mim através do SAC com a enigmática idéia. Vc não precisa ter colocado em prática...quem sabe depois de compartilhar conosco não a coloque?



Agora vamos para a criativa idéia de hoje..



Todos já ouviram falar de kama sutra e teremos ela como instrumento para noite de sexta...



Vocês precisarão de figuras que representem posições diferentes de sexo. Recorte-as e coloque-as em um saquinho. Invente um saco sugestivo,com laço vermelho e que não seja transparente.



No encontro com parceiro, diga que tem uma surpresa. Pegue o saquinho e comece a deliciosa brincadeira colocando em prática as posiçoes. Peça para o parceiro pegar um papel no saquinho e aí é só usar a imaginação e os corpinhos....



Além de muito prazer vai rolar também boas risadas....



Que tal fazer da sua sexta uma enigmática brincadeira quente?









Beijos enigmáticos.

Madame Cleópatra.

15 de jul de 2010

Mulher Maravilha


Porque será que as mulheres de um modo geral, bem generalizando mesmo,tendem a querer ser a mulher maravilha?


Sim. Isso eu vejo aos montes.

A mulher sempre ouve que é o sexo “frágil”, que “atrás” de um grande homem tem sempre uma grande mulher(agora falam ao lado, e é ao lado mesmo!!!), mas se formos pensar bem mesmo, as mulheres já são desde cedo são programadas para serem “ a mulher, mãe, companheira, a perdoadora.


Enquanto o homem é criado(salvo raras exceções), para ser o pegador, o macho, aquele que é homem por isso é normal trair, sentir “necessidades”com outras.

Confesso sem medo ser um pouco machista até, creio ser de uma criação ainda muito forte nesse sentido. Mas também porque acredito nas diferenças do homem e da mulher e acredito que assim como eu, muitas mulheres gostariam daquele homem mais como antigamente, aquele protetor, aquele que provia, aquele que nos olhava e nos via como frágeis.


Somos muito fortes, admito. Podemos fazer sim mil coisas ao mesmo tempo, trabalhar fora, dar conta da casa, dos filhos, fofocar com as amigas, namorar, sair para uma balada, podemos sim, tudo isso e muito mais!!! Mas como é bom tirarmos a fantasia de “mulher maravilha” e nos deixarmos ser paparicadas, sermos cuidadas. Nos sentirmos “protegidas” por um homem é uma sensação que amo e recomendo. Faz bem de verdade.

Podemos ser a super mulher, mas que eles não saibam que damos conta de todo o recado.

Quantas super mulheres, casadas a anos são trocadas por novatas e que simplesmente nem um ovo fritam?


Claro que não estou dizendo para mulherada deixar de serem mulheres e tudo que a isso implica e serem dondocas simplesmente. Longe disso.

Mas sim para se permitirem. Para se deixar serem cuidadas e assim amadas. Porque não é pra “faz tudo” que eles vão olhar e dar valor, homens tem problemas com isso. Mas aí já é assunto que não acaba mais e fica para um próximo post.






Beijinhos carinhosos






                                                         Madame Infinity


12 de jul de 2010

Quer Transar?


Hoje meu post fala sobre um assunto que, se eu me lembro bem, nunca citei aqui.
Quantas de nós já transamos para agradar o parceiro sem ter vontade?
Nem vem dar aquela risadinha de “não é comigo” porque você já passou por isso.
Queria discutir esse assunto com vocês hoje.
Ate onde podemos ir para fazer o parceiro feliz?

Realiza: Um casal que trabalha fora, de segunda a sexta e que só se vê aos finais de semana. A vontade de se ver é enorme e o cansaço mais ainda.
Sabemos que os homens tem um tesão enooorme e que sempre estão a fim de transar independente do cansaço. As mulheres já são bem diferentes.

 Falo por mim, quando chega sexta a noite to acabada e só penso em dormir.
Não me entendam mal, eu amo e quero ele comigo (daquele jeito), mas o cansaço não deixa.
Ai vem a cara feia ou aquela DR básica de que o-que-ta-acontecendo-que-vc-não-tem-mais-tesão-por-mim.
Se viu nessa situação?

Pois é caros amigos, o que fazer? O que você já fez e faria?
Muitas vezes fazemos para agradar o amado por uma questão obvia.
Se você não der, alguém dá não é?
Não é um tanto triste pensar assim? Mas é uma realidade.
Hoje o post esta aberto e eu quero saber o que vocês já fizeram numa situação dessas.

Estou morrendo de saudades de vocês!

Pra você que me ama.


Madame Muááá





A idade do amor


Tenho 26 anos e tô apaixonadinha por um rapaz de 22 anos, e não sei o que fazer pra demonstrar o que eu sinto, que eu o quero, por medo... Medo dele não me querer.. E se de repente ele me querer tb, sentir algo por mim, medo da familia dele e da minha não aceitar... Eu quero um namorado e não mais rolinhos... Minha insegurança e baixa estima também atrapalham... E sei que a 1° coisa que vcs irão dizer é: "se valorize", "se ame", por que eu sei que é por aí que tenho que começar, mas tá muito dificil. O que fazer para melhorar isso? E depois disso? Nossa... To pior que pré-adolescente de hj em dia...

Querida insegura,
Primeiramente, desculpa a demora de postar aqui sua preocupação e queria dizer que a gente sempre se acha uma besta por se comportar as vezes de tal forma que achamos ridículo, mas saiba que é normal, todo mundo tem seus momentos "Adolescente" e não se julgue tanto.
Olha, eu nunca me apaixonei por alguém muito mais velho ou muito mais novo, e também esse não é o seu caso querida, vocês tem apenas 4 anos de diferença e eu acredito de verdade que o amor não tem idade para acontecer, nem local e nem rosto certo.


Como vc já disse vc mesma sabe qual a coisa certa à fazer mas falar e pensar é mais fácil do que agir eu sei. Não pense tanto no que os outros vão pensar, dizer, você tem que saber se o rapaz também sente o mesmo que você antes de qualquer coisa, então tente se aproximar, bater um papo e dar sinais de interesse e se ele sente o mesmo por você, acho que as coisas rolarão naturalmente.

Mas independente disso você tem que mudar seu comportamento e fazer tudo aquilo que você sabe que tem que fazer, e que disse que nós lhe diríamos. Sim, se valorize, se arrume, faça algo que te deixe feliz, visualize as coisas que você quer na cabeça e depois lute para colocar em prática, corre atrás das coisas que você quer porque a vida é uma só e é só sua, faça dela a sua melhor obra prima. Tá certo, nem sempre é assim bonito e fácil, mas tente.


O que é que te incomoda, que te impede de alcançar o que você quer? Escreva em um papel, se você se declarar ao cara, o que pode acontecer de mal e de bom, faça uma lista e leia depois, as coisas são piores na nossa cabeça do que realmente são, não pode ser tão ruim assim e afinal você não é mais criança. A opinião da família e amigos é importante mas não pode deixar que eles te controlem, faça o que achar ser o certo para você e o que te faz feliz. Se você estiver feliz, eles também estarão.


Não seja sua pior inimiga, tente sempre ser sua amiga, se aceitar como é, com os defeitos e qualidades porque assim é você e ninguém é perfeito, pelo menos não custa tentar né.


Boa sorte querida, espero ter ajudado nem que seja um pouquinho e depois quero saber o que aconteceu heim haha.


Beijos X



11 de jul de 2010

Companheiro Deprê

Olá, pessoal, leitores do nosso Sac do Amor. Tudo bem com vocês? Esperamos que sim, desejamos a todos um bom domingo e uma maravilhosa semana. Hoje, vamos expor o problema de uma leitora nossa que vamos chamar aqui de Sílvia (nome fictício, para preservar sua privacidade). Segue-se abaixo o seu relato, enviado há alguns dias ao nosso e-mail colectivo:

Sou advogada. E sou melhor como advogada do que como mulher.
Enquanto sou excelente profissional, minha vida pessoal é uma bagunça.
Cobro muito das pessoas, principalmente que elas sejam melhores, sempre, sem excepções.
E por não gostar muito do meu lado pessoal é que me envolvo com mocinhos cujas vidas complicadas eu possa "arrumar".
O mocinho da vez é óptimo: professor, inteligente, divertido de um jeito sarcástico, tímido, esportista, fotógrafo... ele tem um rol imenso de qualidades.
Mas ele também tem um "probleminha": ele é frustrado com a vida profissional que leva e isso o levou à depressão.
Namoramos há mais de um ano e nos últimos 4 meses a depressão tem vencido. Ele me trata com indiferença e o relacionamento tem se tornado algo frio e mecânico. Cheguei no meu limite, porque não sou médica. Não sei lidar com a doença dele. E não vejo nenhuma vontade dele em querer melhorar. Eu sou muito activa e o desânimo dele me consome, me desaponta, me decepciona e vem me matando, todo dia um pouquinho.
Acho que cheguei no meu limite, embora acredite que o limite é não ter limites.
Eu gosto dele, mas ele não gosta de si mesmo e não se ajuda.
E tem mais uma coisa: eu estive numa pior um tempo atrás e ele esteve ao meu lado.
Se eu fosse embora agora, pedisse um tempo, qualquer coisa nesse sentido, eu não seria muito mal agradecida?!



Querida Sílvia, mais uma vez é um prazer te ter aqui, sou o Monsieur. Tu me pareces ser uma pessoa muito inteligente e decidida, eu espero poder ser útil nesse conselho que quero te dar.

Antes de qualquer coisa que eu diga, tens que começar a te valorizares mais, Sílvia. Não digas que não gostas de tua "vida pessoal", pois talvez tu vivas momentos  que sejam maravilhosos, seja com este actual namorado ou com outros antes dele, e não o percebas. 

Diferenças de génio num relacionamento são normais, cada uma das partes tem a sua vida, já passou por experiências que trouxeram com elas o desenvolvimento da personalidade do indivíduo. Independente da relação que vocês dois têm agora, tu e o rapaz que é professor, ele tem o jeito dele, assim como tu tens o teu.  É preciso saber respeitar a maneira como ele vê o mundo, assim como ele tem que saber que o teu modo de enxergar as coisas é singular. Essas pequenas diferenças é que dão o charme ao casal, porque se os dois combinassem perfeitamente em tudo, que graça teria? O que te atraiu para ele não foi justamente que ele é uma pessoa diferente de ti, que tem uma vida diferente da tua, que pensa diferente? Ter paciência com ele agora, Sílvia, nesse momento, seria uma forma de demonstrar sentimento de tua parte (creio que esse sentimento ainda existe, não?). 
Contudo, como eu havia respondido no último parágrafo daquele e-mail que te enviei em 8 de Julho, nada te obriga a estar ao lado dele se com isso não te sentes completa e feliz.  Amar não é nunca ficar com alguém por remorso do que poderia acontecer com esse alguém caso o deixemos. Se tu o amas, tens que ajudá-lo a superar essa fase ruim, e não é impossível. Contanto que ele entenda que precisa mudar, e isso exige uma conversa franca, onde se exponha não apenas a situação, e sim os teus anseios também (se gostas ou não disso, se com esse comportamento ele te deixa ou não satisfeita etc). Se ele não puder entender, é uma coisa, se ele não o quiser, é outra, e a nossa paciência sempre terá limites.

Mas tudo o que se faz sem pensar pode nos fazer arrependermo-nos depois, e sinto que o que tu queres de verdade não é deixá-lo, e sim continuar com ele, só que com ele feliz, até porque esperas ser feliz junto dele também, ninguém espera a companhia de quem nos deixa infelizes. 


Tu deves pensar nele, o que não quer dizer que somente ele seja prioridade agora. Caso esse seja o teu real desejo, o de ficarem juntos e superarem juntos essa fase negra, penso que valha a pena investir nesse companheiro. Apenas nesse caso.