30 de set de 2010

Sexo Frágil, Sexo Pensante


“Mas o que seria uma "mulher moderna"?

: a princípio seria aquela que se ama acima de tudo, que não perde (e nem tem) tempo com/para futilidades, é aquela que trabalha porque acha que o trabalho engrandece, que é independente sentimentalmente dos outros, que é corajosa, companheira,confidente,amante... é aquela que as vezes tem uma crise súbita de ciúmes mas que não tem vergonha nenhuma em admitir que está errada e correr pros seus braços... é aquela que consegue ao mesmo tempo ser forte e meiga, desarrumada e linda...enfim, a mulher moderna é aquela que não tem medo de nada nem de ninguém, olha a vida de frente, fala o que pensa e o que sente, doa a quem doer... Assim, após um processo "investigatório" junto a essas "mulheres modernas" pude constatar o pior. VOCÊ SERÁ (OU É ???) "corno", ao menos que:


- Nunca deixe uma "mulher moderna" insegura. Antigamente elas choravam.
Hoje, elas simplesmente traem, sem dó nem piedade.”

Arnaldo Jabor.



Lendo esse trechinho do texto do Jabor e pensando sobre ele me deparo com questões que se não analisada bem e caso a caso se torna uma questão puramente de caráter. Claro que é mais ético e politicamente correto eu dizer que trair é horrível, que seria muito mais justo separar, blá, blá, blá, eu concordo, realmente é horrível trair, ser traído, acho uma injustiça com o parceiro sim. Mas não posso ser cega e fingir que não existem traições. E se existem, existem por algum motivo.


Acredito que os homens traiam mais, mas as mulheres estão bem perto deles nesse quesito ultimamente. Eles nos ensinaram ao longo dos anos e foram ótimos professores. Mas com certeza a mulher aprimorou a traição com a inteligência que lhe é nata.




Mas digo com todo coração que mulher não gosta de trair. Ela ate pensa num momento de raiva, mas não o faz simplesmente por instinto. Isso é coisa dos homens. A mulher, como quase em tudo que faz, se trai, o faz por um sentimento, quer de abandono, quer de vingança, mas muito também por insegurança.




Mulher não se ilude com possibilidades de paixões vazias e sem perspectivas de futuro, apenas sexo por sexo. Ela não tem desejos fúteis ( desde que não se trate de uma tarde no shopping) ...




Portanto insisto que a mulher é muito inteligente e emocional e pouco, muito pouco racional. Adora sexo, mas prefere fazer as mais variadas loucuras de amor com o seu escolhido, a pessoa em quem ela confia, ama. Poder olhar nos olhos do homem que ela faz amor e no momento mais delicioso ver que junto com aquela sensação tão enlouquecedora de prazer que a faz gemer, vem também a confiança de poder se entregar totalmente porque está com o homem da sua vida. Isso não tem preço.




Fazer com que a mulher sinta-se única. Exclusividade e segurança, eis dois sentimentos fundamentais para garantir sua amada vidrada em você, com o coração sempre cheio de admiração, sem propensão a te trair e ainda com os ferômonios a mil.

                                                     Beijos Com Carinho da Madame Infinity  

28 de set de 2010

Convivencia Gostosa



Ola queridos!

Estou viva!
Hoje eu quero falar sobre convivência no relacionamento.
Com o tempo de namoro ou até casamento, entra aquela rotina básica e muitas vezes achamos que devido a intimidade, podemos falar e agir de qualquer jeito.

Vou dar umas dicas de como ter um bom convívio no relacionamento e não deixar cair na rotina:

- Cuide da aparência. Não precisa estar impecável 24 horas por dia e todos os dias do ano, mas sim ter sempre uma aparência agradável, e procurar manter isso.

- Fazer o numero 2 de porta aberta? Nem pensar!

- Respeite o espaço físico dele. Nada de atropelar o lado dele no guarda-roupa e colocar suas calcinhas.

- O bom humor traz alegria, satisfação e entrosamento do casal. Brinque, sorria!

- Procure sempre conversar e acima de tudo escute. Não ser ouvido diminui a cumplicidade e a autoestima dos parceiros. E o diálogo aproxima os dois.

- Faça planos que estimulem a vida a dois, tanto a curto como a longo prazo: viagens, compra de uma casa, passeios.

- Procure apoiar o outro em situações importantes, demonstrando que é importante também para você. Mais companheirismo.

- Mantenha a vida sexual quente e prazerosa. Ouse!

- Saia da rotina. O cansaço e as ocupações do dia-a-dia contribui muitas vezes para o desinteresse no sexo, e isso acaba se voltando contra a relação. Nessas situações o que geralmente acontece é o seguinte: ele quer mais sexo, ela quer mais atenção. Ele não dá essa atenção a mais, ela se frustra e sente menos vontade de fazer sexo com ele. Com isso os dois ficam insatisfeitos.

- Tem alguma coisa nele (a) que não ta legal? Faça acordos (contratos) do tipo: “Eu melhoro nesse aspecto e você melhora nesse”

- Mantenham sua individualidade. Saibam curtir momentos a sós. Ele joga bola e você? Fica chupando o dedo? Faça uma atividade física, vá ao shopping com uma amiga, goste da sua compania.

- Respeite o outro, nada de palavrões e baixarias.

- Depois dos filhos, não esqueça a existência do casal, se transformando em apenas pai e mãe, deixando de lado a intimidade do casal, o namoro. Saiba reservar um espaço para as crianças, para a família e para o casal.

Pode estar com a pessoa a muito tempo, mesmo assim não esqueça: Ele não é seu irmão!!!

Se você já pensa assim: parabéns!
Acho que são dicas interessantes que podem fazer muita diferença no seu relacionamento.

Pra você que me ama


Madame Muááá





24 de set de 2010

E-mail especial...

Olá queridos leitores. Certa vez recebi um e-mail que gostei muito e gostaria de compartilhar com vocês. Quem escreveu foi Danuza Leão, assim cita o e-mail....
Isso já tem algum tempo e o guardo com muito carinho. Vejam e compartilhe se gostaram ou não.






Rebeldia, ainda que tardia...



Eu tenho um amigo muito legal. É casado, tem uma filhinha de três anos, não fuma, não bebe e não se droga; como é jornalista, começa a trabalhar às 2h da tarde e só chega em casa depois das 11h.
Outro dia liguei para ele às 11h30 da noite, claro e ouvi a risada de uma criança. Perguntei se era a filha que estava acordada, e ele respondeu com a maior naturalidade que sim. Espantada, perguntei se não era um pouco tarde, e ele disse, com a mesmíssima naturalidade, que ela dorme todos os dias entre a 1h e a 1h30
da manhã. Mas acorda a que horas? Ao meio-dia; como o colégio começa à 1h30 da tarde, é o tempo de tomar banho, se vestir, comer e ir.
Meu lado careta ficou chocado, claro, mas ele engatou uma segunda e explicou que esse horário, para eles, é ideal; se não fosse assim,ele mal veria a filha.
Lembrei que meus filhos iam para a cama às oito da noite e acordavam às sete. E fiquei pensando: na verdade, quem estipulou que criança tem de dormir cedo e acordar cedo? Quem inventou que se almoça à 1h da tarde e se janta às 8h30? Quem decidiu que legumes fazem mais bem à saúde do que chocolate e que uma fatia de rosbife com uma folha de alface e tomate, se comidos com garfo e faca, tudo bem, mas, se a mesma fatia de rosbife for colocada dentro do pão com a mesma alface e o mesmo tomate vira
sanduíche, e não se pode viver de sanduíche?
Bebida é droga, dizem, mas os médicos -sobretudo os franceses aconselham dois copos de vinho por dia, pois faz bem às coronárias. Há quem diga que açúcar é energia,mas, para alguns, é puro veneno, e fazer
cooper,que há 15 anos era quase obrigatório, agora é desaconselhado. Estou esperando a hora em que vão dizer que cigarro faz bem à saúde.
Fiquei pensando que a menina que acorda ao meio-dia não respira o ar da manhã. E continuo pensando: mas quem disse que o ar da manhã é melhor do que o ar da noite, quando o orvalho umedece as folhas, os jasmins perfumam o ar, a terra tem cheiro e os sapos e grilos fazem sua festa? E há coisa melhor do que deitar na grama, à noite, e ficar olhando as estrelas?Quem dorme às 8h nunca vai saber o que é isso.
A grande maioria das pessoas não foi dada a liberdade de pensar, mas só de seguir o estabelecido. Ficou combinado que espinafre é bom para a saúde?
Então, vamos lá. Ficou combinado que fritura faz mal? Então, peixe só cozido na água e sal, com legumes idem. Ah, mas assim fica difícil.
Passei anos indo à praia às 10h da manhã e ficando até as 3h da tarde -num tempo em que não existia protetor solar. A cada verão, o nariz descascava e a pele caía três, uatro, cinco vezes -e tudo bem.
Agora, sol é veneno -vai entender. OK, as coisas evoluem e é preciso acompanhar as mudanças. Mas é essencial, é fundamental, que cada um escolha a sua maneira pessoal de viver. A vida está passando e talvez você nunca tenha tido a coragem de ter certos prazeres porque nunca ouviu falar que tinha o direito de tê-los e nem que eles existiam.
Você já tomou banho de mar à noite? Eu já, e você não sabe o que é.Tenho um amigo que sempre leva no porta-luvas do carro um calção de banho.Numa noite dessas, ele saía de um jantar elegante às 2h da manhã quando passou pelo Arpoador -uma praia linda do Rio; a noite era de lua e o mar estava transparente. Ele se trocou dentro do carro, entrou no mar, ficou horas nadando no meio dos peixinhos e me contou que foi um momento inesquecível de sua vida.
Que maravilha.
Uma de minhas bisavós era índia -não de pena na cabeça, mas índia e, quando começava a chover, sobretudo quando era aquela chuva grossa, tempestade mesmo, ela largava o que estava fazendo, saía de casa e ficavana rua durante uns dez minutos no bem-bom, só se molhando. Ainda não cheguei a essa perfeição, mas, quando a chuva me pega desprevenida, não corro procurando uma marquise ou um táxi; continuo andando, bem devagar, tendo o prazer de sentir o rosto molhado e os cabelos se encharcando a
ponto de, quando chego em casa, precisar torcer e enrolar numa toalha.
E tem mais: quem faz isso desde pequena não pega gripe. Ah, a vida tem coisas muito boas.


Fonte: Folha de S. Paulo



Beijos enigmáticos,
Madame Cleópatra.





23 de set de 2010

Vontade do Novo!



“Abra espaço no seu coração para que o novo possa entrar!

Jogue fora o que não serve mais.
Amores frustrados, projetos engavetados, oportunidades perdidas e roupas velhas devem ir para lata de lixo.” (Roberto Shinyashiki)



Esse pensamento foi tirado de um livro que acabei de ler desse autor que eu adoro, o titulo é uma frase que eu falo que quase diariamente: Vivendo e Aprendendo, é também título de uma nova música do Capital Inicial. Mas voltando ao pensamento, ele é muito oportuno e até parece ser bem simples de ser seguido, mas não é.

Só nosso coração sabe o quanto relutamos em deixar situações que muitas vezes já nos deixaram. Quantas vezes insistimos em nos agarrar a pessoas que não estão nos fazendo bem, por comodismo ou medo de novas situações.

Mas enquanto não nos soltamos e vamos levando certas situações, vamos perdendo oportunidades de sermos felizes ou mais felizes.

Mas porque sentimos tanto medo do novo?

Me lembro de tanta inconseqüência na minha adolescência. Quando minha mãe me advertia sobre sofrimentos futuros enquanto eu namorava o pai dos meus filhos, supostamente um imaturo, eu ria e dizia: Mãe, se não der certo é fácil, separamos e pronto!

Ahhh mas como a vida nos mostra o quanto falar é fácil e muito mais difícil agir. Como eu queria ter aquela disposição que me era corriqueira anos atrás e me livrar de tudo o que me emperra hoje.

Mas também sinto que como tudo na vida, pra ser bom, tem que ter uma pitadinha de dificuldade. Parece que sempre que enfrentamos problemas difíceis vem uma certa “recompensa”. Pelo menos eu vejo assim.

Como é dificil a dor do parto, seja ele natural ou não. Mas toda felicidade que vem depois supera tudo!

Acredito que sempre de uma lição difícil, tiramos uma coisa boa. Apenas precisamos estar com os olhos da alma abertos e treinados para receber.

Saber lidar com as situações difíceis como se tivéssemos fazendo um treinamento para sermos recompensados depois, com os frutos de nossos esforços.

Temos que treinar nossos instintos, reconhecermos bem a situação em que estamos, percebermos quando reclamamos e pararmos, porque de nada adianta. E agradecermos mais as oportunidades que nos apresenta.


“Arrisque... Ouse... REALIZE!!!
Não deixe o medo de errar bloquear a sua capacidade de se realizar.
Muitas pessoas, em vez de tocar seus projetos, preocupam-se em não cometer erros...
O pior é que alguns terão sucesso nessa empreitada:
Não errarão quase nunca, mas também não conseguirão realizar o que desejam.” (Roberto Shinyashiky)



Agradecer sempre os percalços, pois, eles nos dão a chance para evoluirmos.



                                                              Beijinhos doces da Madame Infinity        

17 de set de 2010

Existe algum local ideal para o sexo?!!




O assunto de hoje é sobre o melhor local pra transar.
Conheço algumas pessoas que repudiam a idéia de fazer sexo em locais que não são "seguros"...
Imaginem que coisa chata...vc ter que a todo tempo programar onde vai sentir prazer...pára né....é tão gostoso arriscar.
Eu não gosto muito da sensação de ir ao Motel. Acho muito programado, vc já vai sabendo o que acontecerá, não gosto. Agora quando do nada o companheiro te leva, sem falar pra onde vai...aí já outra coisa. É só usar a imaginação e prazer.

Muitas vezes penso que os relacionamentos também se fortalecem com as lembranças de situações engraçadas e emocionantes, como por exemplo... sexo em locais nada programados.
Pra quem nunca se arriscou, experiente...
Faça sexo no carro, no provador, na praia, na rua, no teleférico..use a criatividade.
Claro que também é necessário usar um pouquinho de bom senso...do mais..é só aproveitar. Vai lá e me conta.



Beijos enigmáticos,
Madame Cleópatra.

13 de set de 2010

Amar não é sofrer



A frase que dá título a essa crônica é óbvia, mas milhares de pessoas não a levam a sério e vivem relações absolutamente torturantes sem conseguir rompê-las. Homens e mulheres preferem abrir mão da própria liberdade para continuarem sendo amadas: deixam de ser quem são, deixam de externar suas opiniões, deixam de agir como sua natureza manda, deixam de ser elas mesmas para não perderem seu amor, perpetuando assim uma relação esgotante e dolorosa. Acreditam que amar é ser vítima, que o flagelo emocional faz parte do romance.

Para quem se reconheceu nesse primeiro parágrafo, acaba de ser lançado um livro que vem a calhar: Amores de Alto Risco, do psicólogo, filósofo e professor italiano Walter Riso. Diz ele que de 20 a 30% da população possui um transtorno extremo de personalidade, e se considerarmos os casos moderados, a porcentagem aumenta. São os narcisistas, histriônicos, paranoicos, limítrofes, esquizoides. Pessoas de bem, que trabalham, se apaixonam, casam e têm filhos, mas que são obsessivos, desconfiados ou agressivos num grau muito superior ao que se considera razoável. A literatura psicanalítica tem se debruçado com seriedade sobre esses perfis e sobre as dificuldades que enfrentam, mas pouco se fala sobre seus parceiros: maridos e esposas que possuem uma mente razoavelmente sã e que passam por verdadeiras torturas emocionais no convívio íntimo. A obra do professor me caiu em mãos justo quando acabo de entregar para a editora os originais do meu novo livro de ficção, cuja história também escancara a dor e a loucura de um relacionamento marcado pelo constante conflito.




O amor caótico inspira livros, filmes, letras de música e quase sempre possui alta carga de erotismo, o que provoca a fantasia de milhares de casais que se arrastam em seu feijão com arroz conjugal. A princípio, viver um amor explosivo parece uma sorte, e não um castigo, só que depois do princípio vem o durante, e esse durante é que enlaça, prende e machuca. Encerrada a euforia inicial, instala-se a rotina exasperante de uma relação doentia, que passa longe da satisfação. Claro que é preciso o esforço de ambos em busca de um ajuste, mas se depois de todas as tentativas ficar claro que a única forma de continuarem juntos é um dos dois se anular e deixar-se consumir, aí é hora de saltar desse trem em movimento. Não é fácil. Aliás, não é nem difícil, é aterrorizante, pois, não esqueçamos, está-se falando de relações onde ainda existe amor.


Nada disso é poético, apenas realista. Amor e dor rimam em samba-canção, mas aqui fora, na vida que se vive, não precisa ser assim. Amar tem que ser uma prática alegre, construtiva, produtiva. Sem neuras, sem engessamento. Concessões fazem parte dos relacionamentos, mas sacrifícios, quem disse? Há quem tenha sua energia vital sugada por um vampiro que se delicia com a resignação da sua presa. Não é justo. Melhor deixar as ilusões de lado e seguir caminhando. Outro amor pode estar mais adiante, na próxima porta.

Texto de Martha Medeiros


Beijos X


9 de set de 2010

Essas Mulheres...

Existem alguns tipos básicos de mulheres. Alguns não são tão básicos. Mas me vieram a mente alguns que conheço e enquanto vou pensando cada tipo encontra um rosto conhecido.




Existe a descolada, gosta de baladas e baladas, beija vários carinhas que ela acha interessante sem pudor algum. “Se eles podem a gente também pode”. São seguras de si em qualquer ocasião e se algum carinha pergunta: “o que você faz”? Ela logo responde: “Sucesso”!!!



A amiga de tudo e de todos! Esse tipo é comum. Bastou estar ao lado de alguém numa festa que assim que chega em casa vasculha o Orkut atrás da pessoa, manda scraps todos os dias, emails, e com certeza vira praticamente a melhor amiga de infância da pessoa.



A amiga de balada. Essa também tem um perfil muito comum. Você não cria laços com ela, tudo é muito superficial. E não tem como ser diferente porque essa menina logo te chama de amiga, mas você não se sente confortável em contar nem uma única linha de intimidade pra ela.



Tem a namorada “galinha” do seu amigo. Ela esta com o cara, fica ao lado dele, mas entre um gole de cerveja e outro ela paga o maior pau para quem tiver ao redor. Muitas vezes chega a trocar telefone com outros caras.



A Paty. Que de Paty não tem nem o nome. Porque sempre chega no salto agulha, roupitchas da moda, nariz empinado. Mas na maioria das vezes sai da balada carregada, descabelada, vomitando e o pior: sem o salto!



As mal amadas. Ai esse tipo é péssimo. Geralmente trabalham em repartições públicas, sempre com a cara de poucos amigos. Parece que não sentem prazer em atender as pessoas e tomam o lugar de quem realmente trabalharia com vontade. Pra essas eu tenho medo de dizer bom dia e ouvir um: “só se for pra você” ou não ouvir resposta alguma.



Tem as que realmente são tímidas. Sem fazer tipo. Elas saem pouco, falam baixo e definitivamente não sabem paquerar(eu conheço). Ate acho que um pouco de baixa auto estima tem aí porque até a postura de mulheres assim demonstram um certo ar de inferioridade, apesar de não o serem nem um pouco. São bonitas sim, mas não se enxergam como realmente são.



As que realmente fazem sucesso. Elas são bonitas como as demais, mas tem um algo mais que encantam todos por onde passam. Homens e mulheres inclusive. Seu encanto não esta nas roupas que veste, na maquiagem...Ela tem um brilho e um charme que lhe é nato. Acho que por tudo isso estar aliado a simpatia natural. Nada é forçado.



Ai são tantos os tipos de mulheres que existem que ficaria aqui a semana toda descrevendo. Mas essas são algumas de que posso falar porque conheço. São mulheres do meu meio e que me chamam a atenção por serem do jeito que são.



E vocês mulheres como são? Falem um pouco de como vocês se vêem?



                                                                  Beijokas Doces da Madame Infinity


6 de set de 2010

Mentirinhas Inocentes


Ando meia estranha ultimamente, nem sei bem como é que ando haha, então com um branco na cabeça e sem idéias para postar, fui passear pela internet e encontrei esse site muito bacana chamado A observadorista de autoria de Millena Blogueira e adorei o post chamado 43 mentiras que as mulheres contam, como morri de rir e muitas dessas mentirinhas inocentes eu mesma já contei (de 43 acho que umas 35 já falei ahaha), não podia deixar de compartilhar com vocês, espero que gostem como eu gostei. 


Beijão a todos e tenham uma ótima semana!!! 


1-Fico pronta em cinco minutos.


2-Não estou de TPM.


3-Não sou ciumenta.


4-Pode sair com os amigos, não me importo.


5-Ele é só meu amigo.


6-Estou com dor de cabeça hoje.


7-Nunca fingi com você.


8-Essas coisas acontecem.


9-Custou tão barato.


10-Não tenho nada.


11-Eu não mexi em nada.


12-Já estou chegando.


13-Já tenho está roupa a um bom tempo.


14-Não vi sua ligação.


15-Gostei da sua ex muito simpática.


16-Você foi o primeiro.


17-Não tenho roupa para sair.


18-Não tem problema você não ter carro, vou de ônibus.


19-Você foi o máximo.


20-Eu sou santa.





21-Pode assistir futebol, não ligo.


22-Eu não sou como as outras.


23-Nunca menti para você.


24-Não te trocaria por ninguém.


25-Claro que olhei a água do carro,os pneus e o óleo.


26-Demorei cinco minutos para escolher a roupa e fazer a 
maquiagem.


27-Nunca fiz isso antes.


28-Eu ia te contar.


29-Você me ligou?E eu nem ouvi o celular tocar.


30-Eu nem sabia que você morava nesta rua, eu estava de 
passagem.


31-Eles pensam que enganam a gente e a gente finge que acredita.


32-Eu nem fiquei esperando você me ligar.


33-Que surpresa!Não sabia que você frequentava este bar.


34-Eu troquei o pneu do carro sozinha.


35-Nunca fiz dieta.


36-Hoje não, estou menstruada.


37-Só malho e tenho uma alimentação saudável, nunca fiz 
lipoaspiração.(Preferida das famosas)


38-Comprei umas coisinhas básicas, só.


39-Não tenho raiva do meu ex.


40-Não faço nada, já nasci com este corpo.


41-Peguei a primeira roupa que vi no guarda-roupa.


42-Não tenho vontade de fazer plástica, estou satisfeita comigo.


43-Nunca disse ou fiz nenhum dos itens desta lista.


Beijos X


3 de set de 2010

Tu perdoas?

" Para as ofensas, a maior arma é o esquecimento. É no esquecimento que se igualam vinganças e perdão"  (escritor argentino Jorge Luis Borges).


Como é difícil perdoar de verdade...ouço muitas pessoas que falam sobre o perdão de uma maneira simples, fácil de sentir. No entanto, passado alguns dias, o assunto é relembrado, sentido e o fato em si nada tem de esquecido.
Tantas coisas podem acontecer em nossa vida e que a guardamos, tanto boas como ruins. O fato é que para tudo damos algum significado. Deste significado pode se traduzir uma mágoa, tristeza, raiva, ódio, rancor e estes sentimentos nada agradáveis podem aos poucos trazer doenças, amargura e nos afastar de tanta coisa boa há ao nosso redor.
Muitas pessoas aprendem a perdoar, perceber que todos podem errar e nos machucar algumas vezes mas outras acabam guardando tudo, " tim tim por tim tim" e ficam remoendo, "cutucando" o outro e acabando com a própria alegria de viver aos poucos.
Nunca é tarde pra rever seus sentimentos. Olhe bem pra dentro de você, perceba os mais variados sentimentos que o cercam, sinta com sinceridade e não tenha medo se encontrar algum que não lhe agrada. Caso isso ocorra, não se culpe, apenas jogue fora o sentimento que não lhe agrada e pense na qualidade (sim, todos tem qualidades) que o outro tem, vá mudando o seu olhar diante o outro e perceba o quanto será melhor modificar tal sentimento. Abrace o próximo, demonstre o quanto a experiência, o sentimento que não lhe agradou, lhe fez bem, te mostrou a capacidade de perdoar e perceberá o quanto vai evoluir.
Mas antes de tudo isso, se perdoe. Se cometeu alguma falha, lembre-se que és humano e que errar muitas vezes é preciso para o crescimento.
É isso enigmáticos leitores, perdoem, perdoem e perdoem....


Beijos enigmáticos,
Madame Cleópatra.

2 de set de 2010

Carência...


Carência?



Não é aquele sentimento que temos quando algo nos falta? Algo que é bom, algo que é essencial?


A carência que quero falar é a puramente amorosa, a carência de amor, de um carinho, uma palavra dita por quem amamos, aquele gesto simples que a algum tempo e sem querer deixamos ir embora. Esse gesto, esse olhar, esse carinho demonstrado em forma de uma mão no cabelo, no rosto, um segurar de mão, um acariciar, deixamos ir embora.


Mas porque deixamos isso acontecer se nos é tão essencial?


Não vou entrar nesse mérito hoje. Apenas quero falar da carência.


Quando nos falta algo em relação ao amor ficamos um pouco perdidos. Sorrimos apenas porque precisamos. Porque no íntimo é sofrido sim sentir carência.


As vezes, nos preocupamos em esconder que estamos carentes. É ninguém merece ficar a todo tempo ouvindo lamurias e nos tornaríamos pessoas desagradáveis se assim agíssemos.


Mas a pior carência é aquela em que se vive ao lado de alguém. Na minha opinião essa forma é a pior porque existe aquela famosa frase “estou levando”. Isso é péssimo, não é justo com você e nem com a pessoa que está a seu lado.


Dormir e acordar ao lado de alguém indiferente, ou ser o indiferente da relação é muito prejudicial. Abre brechas para carência. E quando ela aparece traz consigo uma porção de coisas. As vezes ela traz uma profunda tristeza a uma ou a ambas as partes. Ela pode trazer também a traição que quase sempre vem junto. Porque abre o olho de quem esta carente para as possibilidades que todos nos temos de sermos felizes.


Nesse momento o mais indicado é deixar o orgulho de lado e marcarem de conversar num lugar neutro. Sair da rotina, se dividem a mesma casa, o mais acertado é conversarem em outro lugar. Só de sugerir essa conversa e um lugar novo pra que ela aconteça vai fazer com que a pessoa pense e repense em muitas coisas.


E sem falar em tom prepotente ou acusatório conversar, conversar da forma que vocês conversavam no inicio de namoro. Deixar cada um expor o que esta achando da relação, em que podem mudar, em que erraram e se pretendem, como se acertarem.


Firmeza com docilidade nessa hora são ingredientes indispensáveis.





Beijinhos Doces da Madame Infinity